Home / Significado dos 64 Hexagramas / Hexagrama 47 – Esgotamento

Hexagrama 47 – Esgotamento

O Significado do hexagrama 47 do I Ching 'Esgotamento'

O oráculo

Esgotamento. Sucesso graças à persistência correta.
Para o verdadeiramente grande, boa sorte e ausência de erro.
Ele tem algo a dizer, mas não é ouvido.

Interpretação

É um momento de provação, no qual os recursos se esgotam e advém o cansaço. As causas de tal adversidade quase sempre estão ocultas, e torna-se difícil para o homem aceitar as armadilhas impostas pelo destino. Os fracos se abatem e caem na passividade depressiva ou, então, se desesperam e se deixam arrastar por ações prematuras, inadequadas, que esgotam mais ainda seus poucos recursos.

Só os homens de valor se colocam à altura das provas e obtêm sucesso. A consciência da inevitável flutuação da fortuna, da alternância das fases de luz e de sombra, amenizam os sofrimentos. Armado de calma e paciência, o homem verdadeiramente grande toma a adversidade como uma oportunidade de treinamento, de fortalecimento para uma vida mais madura. Desse modo cria as bases do sucesso pelo caminho correto.

Os períodos de bloqueio reforçam o valor interno, mas não favorecem a atuação no plano exterior da vida. O homem correto pode ter o que falar, mas não encontrará boa acolhida. Ele não se deixa abater por isso e reconhece que as épocas de adversidade exigem força interior e sobriedade nas palavras.

Conselho

O homem nobre arrisca a própria vida para seguir sua vontade.

Interpretação

Quando o destino adverso se impõe, só nos resta aceitar a realidade tal como se apresenta. Embora nada possa fazer exteriormente, o homem que busca o crescimento permanece fiel a si mesmo, aos seus ideais mais profundos. É desse modo que conseguiremos superar as fatalidades externas e ganhar forças para as realizações posteriores.

____________________________________

Linhas móveis

Linha móvel (seis) na primeira posição significa:

Ele se senta, oprimido, debaixo de uma árvore seca
e mergulha num vale sombrio.
Durante três anos não vê nada.

Quando a adversidade recai sobre alguém, é de suma importância despertar forças e superar interiormente as dificuldades. Mas quando um homem é fraco, deixa-se vencer pelos problemas. Ao invés de prosseguir, ele se deixa ficar, sentado embaixo de uma árvore seca, mergulhando cada vez mais na escuridão e melancolia. Isto torna a situação cada vez mais sem esperanças. Essa atitude é decorrente de uma cegueira interior que deve ser superada a todo custo.

Linha móvel (nove) na segunda posição significa:

Ele se sente oprimido em meio a vinho e comida.
O homem de joelheiras vermelhas está chegando.
É favorável oferecer sacrifícios.
Partir traz infortúnio.
Nenhuma culpa.

Isso representa um estado de opressão interior. Exteriormente tudo vai bem; há comida e bebida. A rotina da vida, no entanto, provoca uma exaustão e parece não haver saída. Uma ajuda vem então do alto. Um príncipe – os príncipes na antiga China usavam joelheiras vermelhas – está à procura de auxiliares competentes. Mas há ainda obstáculos a superar. É, então, importante que eles sejam enfrentados no âmbito do invisível através de sacrifícios e orações. Partir sem se estar preparado poderia ser desastroso, ainda que não fosse eticamente errado. Aqui uma situação desagradável precisa ser superada através de um espírito paciente.

Linha móvel (seis) na terceira posição significa:

Ele se deixa oprimir pela pedra
e se apóia em espinhos e cardos.
Ele entra em sua casa e não vê a esposa.
Infortúnio!

Isso mostra um homem inquieto e indeciso em épocas de adversidade. A princípio ele quer avançar, mas logo depara com obstáculos que, no entanto, implicariam em opressão apenas se enfrentados de maneira irrefletida. Ele arremete com a cabeça contra o muro e como resultado sente-se oprimido pelo muro. Apóia-se, então, em coisas que não têm estabilidade e são, portanto, perigosas para aqueles que nelas buscam apoio. Indeciso, ele caminha de volta à sua casa só para descobrir, em mais uma desilusão, que sua esposa não se encontra lá.

Confúcio comenta a respeito dessa linha: “Caso um homem se deixe oprimir por algo que não deveria oprimi-lo, seu nome sem dúvida cairá em desgraça. Caso ele se apóie em coisas sobre as quais não deveria apoiar-se, sua vida com certeza correrá perigo. Para aquele que se encontra em desgraça e perigo, a hora da morte está próxima. Como então poderá ainda ver a sua mulher?”.

Linha móvel (nove) na quarta posição significa:

Ele vem muito lentamente,
oprimido numa carroça de ouro.
Humilhação, mas ainda assim a meta é atingida.

Um homem abastado vê as necessidades das classes inferiores, e deseja ajudar. Mas ao invés de proceder com presteza e energia nas providências necessárias, ele toma a iniciativa de modo hesitante e com demasiada cautela. Encontra, então, obstáculos. Pessoas poderosas e ricas atraem-no a seu círculo. Ele se vê forçado a aceder e não pode se afastar. Isso o deixa numa posição incômoda. Mas o problema é passageiro. A força original de sua natureza o leva a superar o erro cometido, e o objetivo é alcançado.

Linha móvel (nove) na quinta posição significa:

Cortam seu nariz e seus pés.
A opressão vem de alguém com joelheiras púrpuras.
Lentamente chega a alegria.
É favorável oferecer sacrifícios e dádivas.

Alguém que se interessa pelo bem do povo sofre opressão tanto por parte dos que estão acima quanto dos que se encontram abaixo (este o sentido do nariz e dos pés cortados). Ele não encontra ajuda entre aqueles cujo dever seria cooperar no trabalho de salvação (os ministros usavam joelheiras púrpuras). Mas, pouco a pouco, as coisas vão melhorando. Até que isto se concretize ele deve se voltar para Deus, num intenso recolhimento interior, orar e oferecer sacrifícios em favor do bem comum.

Linha móvel (seis) na sexta posição significa:

Ele é oprimido por trepadeiras;
Movimenta-se de modo inseguro e diz:
“O movimento traz remorso”.
Caso sinta arrependimento por tal atitude
e comece a agir, terá boa fortuna.

Um homem se deixa oprimir por laços fáceis de cortar. A opressão está chegando ao fim. Mas ainda se está inseguro e sob a influência das condições anteriores; teme-se que qualquer movimento dê motivo a arrependimento. Mas logo que chegue a uma compreensão da situação, este estado mental será superado e com uma decisão firme a opressão será dominada.

Sobre Constantino K. Riemma

Constantino K. Riemma
É autor de diversos textos sobre I Ching, Astrologia e Tarô. Trabalha como Terapeuta há 20 anos utilizando estas linguagens simbólicas como ferramenta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *